Recently, The MMA Corner’s Aline Baktchejian Djehdian visited Na academia Needs in São Paulo, Brazil, to speak with The Ultimate Fighter: Brazil middleweight finalist Daniel Sarafian. Although the Brazilian was forced out of the reality show’s final at UFC 147 over the summer due to a hand injury, the fighter is upbeat about his fighting future and is hoping to return to action before the end of the year.

Below are full transcriptions in both English and Portuguese. Click the tab to switch the language.

[tabgroup][tab title=”English”]

Describe the feeling of making the finals of The Ultimate Fighter: Brazil.

It was a feeling of mission accomplished. As I got in the show, my goal was to get to the final and be the champion. Unfortunately, I was not, but when I got to the finals, I had the feeling of mission accomplished to a certain point. However, I was able to show a little bit of me and attain my main goal that was signing with the UFC, so I am satisfied.

How disappointing was it to have to withdraw from the final due to injury?

At first it was really sad, it was a shock, but I had to go into surgery with certain urgency, so I did it. I had to put in my head that it was done, I was out of the finals, and that’s something that happens to any athlete in any sport, and now I’ll move on.

Have you recovered from that injury?

I’m already recovered. Last week, the doctor released me to go back to training, carefully though, not too intense. I’m able to train, and gradually within a month, I can intensify my training thinking about a possible fight, God willing, later this year.

What have you learned with this experience?

With everything in life we learn; with injury, uninjured, with bad training, good training, we are always learning. This experience made ​​me seek new resources; I started new martial arts since I could not punch with my hand. I was kicking, learning a lot of kicking, doing karate, Kokushi. The injury made me want to learn things that if I wasn’t hurt I wouldn’t have tried.

You were briefly rumored to face Cezar “Mutante” in Rio at UFC 153. What prevented that?

Time. Because I am back training now, less than a month for UFC Rio, and Mutante also had surgery, so for me I think it was the time as much as for him, not being able to fight for being injured.

Is that still the fight that the UFC is targeting for your return?

I believe there is no reason why, because I am almost ready to fight and Mutante had an injury that will take him out of the circuit for a while. I believe my comeback will be with another fighter and my second fight can be against him. I do not know what the UFC will decide, I think it will probably be like that.

What was it like living in the house? How do think you match up with your Team Belfort teammate, Mutante?

To me, the house was the biggest experience and the biggest learning I had in life about self-knowledge, self-control. In addition, about going to the finals with a teammate to me, is indifferent, because we were all in the same house, so in a certain way we were all teammates there. What really made me happy was getting to the finals.

Even though you weren’t able to fight him at UFC 147, do you think a win over him would make you the real winner of TUF: Brazil?  

I do not think I stopped being a champion. I think I got to the final with merits, with hard work. I see myself as a champion, you know.

Tomorrow, if I fight and win, it is not because I am the true champion of TUF, depends on your point of view. The house ended, there will be future fights. If I beat him, I won, I will not be TUF champion anymore, and I believe I have a good chance of beating him. I trust in my work a lot.

Prior to The Ultimate Fighter, all of your wins had come by submission or TKO. But on the show you knocked out Sergio Moraes. How satisfying was it to get the KO?

The knockout was a great feeling because I wanted, but I did not have it yet, I wanted to feel that. However, to be honest, I saw that it does not change much—the great feeling is the feeling of victory.

Looking back at your experience on the reality show, what was the best part of being on the show?

The self-knowledge, the hard work.

What was the worst part?

I do not think there was a worst one. I do not think there were any bad things, and I was well, focused, using everything to my favor. I only had good experiences.

You started your career on the Predador event, what is the importance of the national events for the fighters?

The importance of the event is that it is a national event and to get to the UFC, you have to fight in other events. I find it very important to have events in Brazil. Imagine if the athlete had to leave here in the beginning of the career and go fight in another country without the support of their fans. There would be no fighters, so I think is very important, the national events, so that Brazil can produce athletes.

You were sparring with famous fighters, what did this add to you as a pro fighter?

For sure it added everything I have today—experience, technical quality and especially my confidence. Since I trained with the biggest names in MMA, that made me confident. I saw that, inside the reality show, I had an experience that others didn’t. For sure, that came because I trained with big names.

Looking back at your career, you faced UFC veteran Mike Whitehead in just your second fight. How did facing such an experienced fighter at that point in your career help you get to where you are now? 

That experience was very important to me. It was my second fight and 25th of Mike Whitehead. He was from the heavyweight division and I was a middleweight fighting at light heavyweight, and was his first light heavyweight fight too. I was defeated in a well-balanced fight and I think that made me see that I was capable in the future, in the matter of not quitting  but working because I was getting somewhere.

Me, a guy who had only one fight in my record, have a tight fight with an athlete that had 25 fights, 30 pounds heavier, a veteran, experienced, it gave me a lot of confidence.

How does it feel being in the biggest MMA promotion in the world, the UFC?

Feeling of happiness, joy for having the opportunity to show my work. But I know that there is a responsibility, because my work is not yet finalized. The UFC is a serious company, I am also a serious athlete and I know I have to make good fights, show my commitment to gradually earn my respect. I know what I have on my hand is an opportunity. Until now, I have nothing. I am not the champion yet, my life is not done, I’m not a guy who has proven everything he has to prove. I just got the opportunity, and I am very grateful for that; I am not dazzled.

Who are your MMA idols?

I have many.  “Cigano” [Junior dos Santos], Cain Velasquez, “Minotauro” [Antonio Rodrigo Nogueira], Anderson Silva, Ben Henderson, Dan Henderson, Frankie Edgar and many others. I am a guy who likes to study when I am not training, and I analyze fights and fighters. I have many idols and I appreciate their qualities.

What should fans expect the next time that you fight?

The fans can expect the best from me. I will train looking for my best with commitment and when I get there, I will find a way to show that and seek the victory.

Any predictions of return?

There is nothing right yet. We are trying to get a fight on the Dec. 29 card (UFC 155 in Las Vegas), but for now we do not have the date for returning. However, I believe that if I do not fight in December, I will fight in January of 2013.

Anything you would like to add?

I would like to thank my sponsors, Naja Fight wear, Needs Gym for the great space they have and for the environment they provide for our training, Moema Natural, a restaurant that I love, they support me so much; I have lunch every day in there, great quality food. And thanks also to the UFC for giving me this chance of showing my job, I promise my commitment to them.

[/tab][tab title=”Portuguese”]

Descreva a sensação de ter ficado nas finais do Ultimate Fighter Brasil.

Tive a sensação de dever cumprido até certo ponto. Como eu tinha entrado no programa o meu objetivo era ir para a final e ser o campeão. Infelizmente eu não fui o campeão, mais no momento que eu fui a final eu tive a sensação de dever cumprido até esse ponto. Mas consegui mostrar um pouco de mim e atingir meu principal objetivo que era assinar com o UFC, então estou satisfeito.

Como você lidou com a decepção ao saber que não poderia lutar na final devido a sua lesão?

Em um primeiro momento foi uma coisa triste, um choque, mais eu tinha que fazer a cirurgia com certa urgência, então eu fiz logo que era pra colocar na minha cabeça que já estava feita a cirurgia , que eu estava fora da final, pois são coisas que acontecem com qualquer atleta de qualquer esporte e bola pra frente.

Você já está se recuperando da lesão que teve?  O que aprendeu com essa experiência?

Eu já estou recuperado, semana passada o médico me liberou para voltar aos treinos com cuidado, não fazendo de maneira mais intensa, já estou podendo treinar e aos poucos dentro de um mês, acredito estar preparado para intensificar ainda mais os treinos pensando numa possível luta, se Deus quiser ainda nesse ano.

Com tudo na vida a gente aprende com lesão, sem lesão, com maus treinos, bons treinos a gente sempre está aprendendo. Mais essa experiência me fez buscar novos recursos, fui fazer novas artes marciais, já que eu não podia socar com a mão, eu estava chutando, busquei bastante aprendizado de chute, fazendo Karate, o Kokushi, a lesão me trouxe vontade de aprender coisas que se eu não tivesse me machucado eu não teria ido atrás.

Houve aqui nos EUA um rumor que você enfrentaria o Mutante no UFC Rio 3, o que o impediu?

O tempo. Pois estou voltando a treinar agora, falta menos de um mês para o UFC Rio 3 e o Mutante também está operado, então acho que tanto pra mim foi o tempo quanto para ele a impossibilidade de lutar por ele estar lesionado.

Essa é a luta que o UFC está focando para o seu retorno?

Eu acredito que não porque eu já estou quase para lutar, estou voltando e o Mutante teve uma lesão que vai tirar ele do circuito por um tempo. Eu acredito que o meu retorno vai ser com outro atleta e a minha segunda luta pode ser com ele. Não se ainda o que o UFC vai decidir, eu acho bem provável que seja isso.

Como é que foi a convivência na casa com o Mutante? E o que você achou de ter ido a uma final com um companheiro de equipe do Team Vitor?

Para mim a casa foi a maior experiência e o maior aprendizado que tive na vida sobre auto conhecimento, auto controle. E quanto a ter ido a final com um companheiro de equipe pra mim é indiferente, porque na verdade tava todo mundo na mesma casa então de certa maneira era todo mundo companheiro ali. O que me deixou feliz mesmo foi ter ido a final.

Mesmo não podendo lutar na final do UFC 147, você acha que uma vitória no futuro contra o Mutante o tornaria o verdadeiro campeão do TUF Brasil?

Acho que eu não deixei de ser um campeão. Eu cheguei na final com méritos, com trabalho duro, me vejo um campeão também. Mais se amanhã eu lutar e ganhar dele não é por ser o verdadeiro campeão do TUF, depende do ponto de vista de qualquer um, a casa acabou, são lutas futuras. Se eu ganhar dele eu ganhei dele não serei mais o campeão do TUF, eu acredito que tenho grandes chances de vencê-lo. Confio bastante no meu trabalho.

Antes do The Ultimate Fighter, todas as suas vitórias vieram por finalização mas     no TUF você nocauteou o Sergio Moraes. Qual foi a satisfação que teve ao obter esse KO?

Na verdade eu já tinha um nocaute técnico, o nocaute mesmo foi uma sensação muito gostosa porque eu queria e ainda não tinha, queria sentir isso. Mais na verdade vi que não muda muito, a sensação boa é a sensação de vitória.

Qual foi a melhor parte de sua experiência no reality show?

O auto-conhecimento, o trabalho interno.

E a pior parte?

Não acho que teve pior parte, acho que não tiveram coisas ruins, eu estava muito bem, focado, usando tudo ao meu favor. Tive só boas experiências.

Você iniciou sua carreira pelo evento Predador, qual a importância dos eventos nacionais para os lutadores?

A importância do evento nacional é que é um evento e para chegar ao UFC você tem que lutar em outros eventos. Acho muito importante ter eventos no Brasil, imagina se o atleta tivesse que sair daqui no começo de carreira e ir lutar em outro país sem o apoio de sua torcida, não teria lutador, então acho muito importante os eventos nacionais para que o Brasil possa fabricar atletas.

Você já foi sparring de lutadores famosos o que isso agregou a você como lutador profissional?

Com certeza agregou tudo o que eu tenho hoje, agregou experiência, qualidade técnica e principalmente minha confiança, já que treinei com vários dos maiores nomes do MMA, isso me deixa confiante, eu via que lá dentro do programa eu tive uma experiência que muitos não tiveram. Com certeza isso veio por ter treinado com grandes nomes.

Falando sobre a sua carreira, você enfrentou o veterano do UFC Mike Whitehead , em sua segunda luta profissional, como essa experiência foi importante para ajudar você a chegar aonde está agora?

Essa experiência foi muito importante pra mim, era a minha segunda luta e a vigésima quinta luta do Mike Whitehead ,ele era um cara da categoria pesado e eu um médio lutando de meio pesado e foi a primeira luta dele de meio pesado também. Eu fui derrotado na decisão em uma luta bem equilibrada e acho que isso me fez ver que eu tinha uma capacidade futura, era questão de não desistir e sim trabalhar que eu ia chegar em algum lugar.

Eu, um cara que tinha apenas uma luta no cartel, fazer uma luta parelha com um atleta que tinha vinte e cinco lutas, 15 kgs mais pesado, veterano, experiente, isso me deu uma confiança tremenda.

Como é a sensação de estar dentro de um dos maiores eventos de MMA do mundo, o UFC?

Sensação de felicidade, alegria por ter a oportunidade de mostrar o meu trabalho, porém eu sei que existe uma responsabilidade pois meu trabalho não está ainda concretizado, o UFC é uma empresa séria, eu também sou um atleta sério e eu sei que tenho que fazer boas lutas, mostrar o meu comprometimento, para ganhar aos poucos o meu respeito, eu sei que o que eu tenho na mão até agora é oportunidade, eu não tenho mais nada, ainda não sou campeão, minha vida não está feita, eu não sou um cara que provou tudo o que tem que provar. Eu só tenho a oportunidade e sou muito grato por isso, mas não estou deslumbrado.

Qual são seus ídolos no MMA?

Eu tenho muitos. O Cigano, Cain Velasquez, Minotauro, Anderson Silva, Ben Henderson, Dan Henderson, Frankie Edgar e muitos outros. Eu sou um cara que gosta muito de estudar quando eu não estou treinando e fico analisando lutas e lutadores. Então tenho vários ídolos e sei apreciar as qualidades deles.

O que os fãs podem esperar de você em sua próxima luta? Alguma previsão de retorno?

Os fãs podem esperar de mim sempre o meu melhor, eu vou treinar buscando meu melhor com comprometimento e quando eu entrar no octógono,irei procurar dar esse melhor em busca da vitória.

Ainda não tem nada certo estamos tentando lutar no card do dia 29 de dezembro, mais por enquanto não temos ainda o retorno do UFC.

Acredito que se eu não lutar em dezembro será em janeiro de 2013.

Alguma coisa que queira adicionar?

Gostaria de agradecer os meus patrocinadores, a Naja fightwear, a academia Needs pelo ótimo espaço deles, parabéns e muito obrigado pelo ambiente que cedem a nós para os treinos. A Moema Natural, um restaurante que eu adoro, eles me dão um suporte tremendo, almoço diariamente lá, comida de qualidade!

E muito obrigado também ao UFC por me dar a chance de mostrar o meu trabalho, prometo a eles o meu comprometimento.

[/tab][/tabgroup]

Top Photo: Daniel Sarafian (Aline Baktchejian Djehdian/The MMA Corner)

About The Author

Aline Bak
Staff Writer, Brazil

A native of São Paulo, Brazil, Aline began watching MMA with her father during the heyday of Pride in the early 2000's. Her passion for the sport soon turned to the UFC not long after. After attending UFC 134 in Rio de Janeiro and UFC 146 in Las Vegas, Aline was asked to recount her experience for Tatame—one of Brazil's biggest media outlets—and thus began her writing career. In addition to her work for The MMA Corner, she maintains her own site about MMA.