A true legend of the sport, Royce Gracie was the first member of the UFC Hall of Fame. Learning from his father Helio Gracie, the fighter became known worldwide for facing opponents bigger than him at a time when competition was made up of four fights in one night, without time limits or weight classes. Gracie introduced the world to the power of the art of Brazilian Jiu-Jitsu.

In a visit to Sao Paulo, Gracie stopped by the Needs gym to train at the facilities with UFC fighter Daniel Sarafian. While there, Gracie spoke with The MMA Corner’s Aline Baktchejian Djehdian. Read the entire interview below in both English and Portuguese. Click the tab to switch the language.

[tabgroup][tab title=”English”]

What is your philosophy with your students?

In our classes, we use a different teaching method. Our student applies takedowns on our professors. Like my father Helio said, if you are afraid to fall, you won’t learn how to take down. We teach students how to take punches, so they can become resistant. By doing this, you will learn how to take a punch with me, and I will teach you how to hit.

What do you think of jiu-jitsu as it is today?

The martial arts competitions nowadays have an exaggerated amount of rules and it is taking some of the luster of the true meaning of martial arts. It is not just a matter of scoring points and winning a competition. The jiu-jitsu of my father was not created to mark the point, but to teach people how to defend themselves on the street. In the street, an opponent could be heavier than you. There are no [weight] divisions on the street. You do not choose your opponent. Jiu-jitsu will teach you to defend yourself.

What about jiu-jitsu within MMA?

They are two different sports and require different preparation to fight for a championship. Jiu-jitsu is completely different than a preparation for MMA. I spoke with my nephew, Roger, to choose a path. What is the priority? Each has its priority, to try to be a gold medalist in jiu-jitsu in the World Championships or to be MMA champion.

In your time, you didn’t have to deal with time limits and weight classes. You would have up to four fights in one night. Do you believe today’s fights are easier compared with your era?

In the UFC of my time, the style of fighting was different. Today, your opponent practices every style of fighting. Now, it’s all about who has the best strategy. For example, Anderson Silva’s fights look easy because of the strategy he employs. Anderson has the ability to throw a fighter off his game. He’s had some really tough opponents, but he doesn’t make them seem tough.

Is jiu-jitsu the essence of MMA?

Wrestling doesn’t have submissions or punching. Karate doesn’t involve the ground game. Jiu-jitsu came in to help those styles.

My family gave Gracie jiu-jitsu to the world. We could have maintained the philosophy just for us, but if we had, the world would not get stronger.

When you see how far the UFC has come, how does that make you feel?

Like my brother said, we aren’t part of the history, we are the history.

Why do Brazilians excel at  jiu-jitsu?

It’s in our blood, the Brazilians are certain we have something more in our DNA, as well as samba and soccer.

The Gracie family has followed this tradition for many generations. How do you see the future generations?

I have four kids. One time my third boy was playing cards with his cousin, and she won three times in a row. My son became nervous and didn’t want to play anymore. He threw the cards in the air and gave up. He must have been eight years old at the time, and his cousin was four. She was annoyed and told her cousin “Pick up those cards. You are a Gracie, and Gracies never give up.” It’s in our blood.

[/tab][tab title=”Portuguese”]

Uma das maiores lendas da história do UFC Royce Gracie foi o primeiro integrante do Hall da Fama do UFC um reconhecimento de sua gloriosa trajetória proveniente da filosofia de seu pai Hélio Gracie, o lutador ficou conhecido mundialmente por enfrentar adversários maiores que ele em um tempo onde se fazia até quatro combates na mesma noite, sem tempo de round e sem categorias de peso. Royce apresentou ao mundo a força da arte suave com seu jiu-jitsu.

Em visita a São Paulo para compromissos profissionais Royce Gracie foi à academia Needs, o lutador aprovou as instalações da academia e encontrou com o lutador do UFC Daniel Sarafian, Royce respondeu algumas perguntas:

Qual é a sua filosofia com seus alunos?

Em nossas aulas o método de ensino é diferente o nosso aluno que aplica as quedas nos professores, como diria meu pai Hélio, se você ficar com medo de cair não vai aprender a derrubar. Todo mundo faz diferente ensinando os alunos a tomar soco para ficar resistente aos golpes com isso você vai aprender a tomar o soco comigo eu vou te ensinar a bater.

 Como você vê o jiu-jitsu atualmente?

As competições de artes marciais hoje em dia tem uma exagerada quantidade de regras e isso está tirando um pouco do brilho do real sentido das artes marciais, não é só uma questão de marcar pontos e ganhar uma competição. O jiu-jitsu que meu pai criou não é pra marcar ponto e sim pra você saber se defender na rua, se vem um adversário na rua mais pesado que você não existe categoria na rua você não escolhe adversário, o jiujitsu vai te ensinar a se defender.

Jiu-jitsu ou MMA?

São dois caminhos diferentes não da pra fazer os dois, a preparação para um campeonato de jiu-jitsu é completamente diferente de uma preparação para o MMA. Eu falei com o meu sobrinho Roger para escolher um caminho. Qual a prioridade? Cada um tem sua prioridade tentar ser medalhista de ouro em jiu-jitsu em campeonatos mundiais ou ser campeão de MMA?

Em sua época não existia tempo, categorias de peso e eram realizadas até quatro lutas na mesma noite, acredita que os combates dehoje são mais “leves” comparados com seu tempo?

No começo do UFC na minha época era um estilo de luta contra outroe hoje é um adversário que pratica todos os estilos de luta contra o outro. Agora virou quem possue a melhor estratégia o Anderson Silvapor exemplo o que faz a luta dele parecer fácil é a estratégia que ele monta , Anderson consegue tirar o adversário da linha dele e tirar o campo, os adversários que ele pega são casca grossa mas ele faz parecer que não.

O jiu-jitsu é a essência do MMA?

A luta livre não tem finalização não tem soco, o karate não tem chão, o jiu-jitsu entrou pra ajudar todos ele, como meu irmão Rorion falou quando criou o UFC a questão é se amanhã eu encontro com um cara que está morrendo de sede no deserto e faço ele reviver depois de um tempo  ele se fortalece é melhor do que eume dá porrada e toma minha água eu é quem morro… deixo ele sem água ou não?

A família Gracie deu o jiu-jitsu para o mundo poderíamos ter mantido a filosofia só para nós, mas se não tivéssemos dado ao mundo eles iriam se fortalecer lá fora como a questão da água que citei.

O que sente ao ver aonde o UFC chegou?

Como meu irmão falou uma vez a gente não faz parte da história agente é a história.

Como vê os brasileiros no jiu-jitsu?

Está em nosso sangue, os brasileiros são determinados, temos algo a mais táem nosso DNA , assim como o samba e o futebol.

A família Gracie vem seguindo essa tradição por várias gerações, como vê as futuras gerações da sua família?

Tenho quatro filhos uma vez o meu terceiro menino estava jogando cartas com a prima, e ela ganhou três vezes seguidas dele o meu filho ficou nervoso não queria brincar mais, e jogou as cartas para o alto desistindo da partida na ocasião ele devia ter 8 anos e a prima uns 4 anos, indignada com a atitude chegou no primo e falou “PEGA AS CARTAS VOCÊ É GRACIE E GRACIE NÃO DESISTE”.  Tá em nosso sangue.

[/tab][/tabgroup]

Photo: Royce Gracie (Aline Baktchejian Djehdian/The MMA Corner)

About The Author

Aline Bak
Staff Writer, Brazil

A native of São Paulo, Brazil, Aline began watching MMA with her father during the heyday of Pride in the early 2000's. Her passion for the sport soon turned to the UFC not long after. After attending UFC 134 in Rio de Janeiro and UFC 146 in Las Vegas, Aline was asked to recount her experience for Tatame—one of Brazil's biggest media outlets—and thus began her writing career. In addition to her work for The MMA Corner, she maintains her own site about MMA.