Recently, The MMA Corner’s Aline Baktchejian Djehdian spoke with Needs Gym instructor Diego Andriello.

Andriello works with many MMA notables, including UFC veterans Demian Maia and Daniel Sarafian.

The pair discussed Andriello’s method of training and preparing fighters for competition.

Below are versions in both English and Portuguese. Click the tab to switch the language.

[tabgroup][tab title=”English”]

We have seen some cases of fighters leaving the card days before the fight due to injury. Is there a formula to avoid this during the final stretch of training?

Because MMA is a contact sport, injury is inherent. It can happen, but we try to minimize this by the way we work, controlling the volume and intensity of the training load. What I see in some other athletes are injuries such as sprains during the fight, but that’s normal. However, in some cases, many muscle injuries that happen are not from fighting, but from training, as over-training, when they can not control volume and intensity, respecting the training phase. This generates wear and, since athletes are required to train in various modalities, the injury will appear sooner or later.

How do the coaches on the sidelines maintain harmony and work to combine fitness training with boxing, Muay Thai, jiu-jitsu and wrestling?

I can only speak for the team with which I work. We set a plan and do a very good job. Although I have been training jiu-jitsu for 15 years, I learn from Demian Maia. I’m a trainer. Eduardo Alonso manages our team to establish a working method. There is nothing to teach coaches how to train them, but we can present them with a plan, control how much they train and work within this plan. That has been successful. Look at the results with Demian [Maia], Daniel [Sarafian] and other athletes training jiu-jitsu and MMA. It all comes with patience. The technique and strategy is the coach’s responsibility, but determining the volume and intensity of training lies with the trainers.

MMA has evolved a lot since its invention at the time of Royce Gracie. The physical preparation of the athlete has evolved as well. Tell me how you see this evolution in training.

There is a lot of evolution, but what I see is that it is far from being ideal, in my view. Before, there was no physical preparation and the coaching was not at a professional level. The mindset was to have the better workout. If anything, it was about pushing things to the maximum. Today, the big teams have a professional philosophy. Some coaches still have a very high resistance to listen to trainers. But physical preparation alone isn’t enough, it is part of a whole. A workout is demanding and is a physical struggle. We can not consider the physical preparation as an accessory. It’s like a gear and is as important as working on boxing, jiu-jitsu and Muay Thai.

Is there any trainer you pattern yourself after here or outside of Brazil?

I try to follow my own path, but many, yes. In Brazil, Rogerio Camoes inspires me. In the last UFC Fortaleza, we talked a lot, like the things he does. Also Caruso, who was one of the first guys to bring a methodology, and others such as Itallo Vilardo or Marth Ronnie. I look to take the best from each and use it in my work.

What is done in Brazil in terms of preparation? Is there an international standard or is it regional?

A little of both. There are some who think that what is done here is no good, only outsiders are good. The ideal is to have an open mind because there is no right or wrong way. Sometimes a path is longer and other times it’s shorter. I think you have to stop and look, see what fits in your work, no matter if it’s Brazilian or Cuban. Today the sport has grown too, it’s a science that doesn’t just belong to the coach of the United States, Russia or Cuba. People need to lose the stigma that Brazil is subpar.

What is your workout routine for a high-performance athlete?

I can only speak about the MMA fighters we work with. When you have a fight scheduled, an effective camp starts 10 weeks before the fight and is continuous. There are two workouts per day, Monday through Friday, and Saturday for sparring. With eight weeks to the fight, we modulate it. As our team is always together, we wrestle, following the plan. But sometimes we will make adjustments. There are on average three times a week and other fitness training for specific days. The athlete has to be economical and efficient. We work in the specificity of each fighter. There’s no point doing fancy workouts. And we always controlling the volume and intensity of training. There’s no use draining a fighter in a workout, because there’s always another the next day.

Do you believe that the lack of stamina of some athletes during fights has to do with a failure during physical training or conditioning of this athlete?

Yes, I believe. Part of the preparation is more than conditioning, which is a further enhancement to minimize fighter fatigue and improve the athlete’s recovery. But I go further. Not only is it the physical preparation, but we tend to think of the part and not the whole. This is part of the job. The trainer did the work within the team, but the coach did not let him try to direct training as well, and the next coach wants to do something else, but in turn, he did not think of the next workout and ends up taking away from the fighter’s performance. This is in addition to the impact in weight loss. This is cumulative. I’ve been studying a lot and I see that the drastic weight cut is linked to performance loss.

Many athletes drastically reduce their weight to fight in a lighter weight class. How do you, as a trainer, see this drastic change in weight?

I’m not much in favor. I’m not saying it’s right or wrong. Each has a working line. In my line, I am not in favor of the loss or excessive weight gain. It is obvious that our athletes have to lose weight. Daniel [Sarafian] comes down from 98 kilograms [216 pounds] and Demian [Maia] cuts from 86 kilograms [189 pounds]. We do it in a way that reduces the body weight of the athlete from week to week, trying to leave as little as possible for the week of the fight. Not like some teams that have an eight- to 10-pound loss in the week of the fight. I think it’s very hard on the athlete and causes a loss of performance in the fight.

Another point is about the weight regain. It’s a myth that the more he recovered, the stronger he will be. In other words, he will rehydrate but water does not generate muscle mass that he is gaining. Daniel [Sarafian] trains great and his performance is better at 92 kilograms. Thus he is quick, strong and resistant. But why do you walk around at 96 kilos and fight at 84.7 kilos? It is water, I believe. The weight should be studied and controlled a little. We begin to see athletes struggling to fight because they went bad. I’ve seen athletes in the sauna off, and we see them fall or faint, struggle after struggle because of severe dehydration. This will injuring the athlete. What takes the life of an athlete’s training is not the fight. We see athletes who are fighting for 10 years and are fine. Others with five years are broken. The weight factor is directly related to performance, which is connected to these cuts.

Tell us a little about who you have already prepared and ready (fighters)

I started with Demian [Maia] since the time of ADCC, where he was the champion in Abu Dhabi. Daniel Sarafian, his brother William. Gabriel Veiga who came now, has always been part of the camp and began to make the team. There’s also the boxer who has been boxing for the Brazilian team, Danilo Marques, who is training with us. They’ve worked with us, as have Matheus Serafim and more.

[/tab][tab title=”Portuguese”]

Temos visto alguns casos de lutadores saindo do card dias antes da luta por lesão. Existe uma fórmula para se evitar isso durante a reta final dos treinamentos?

Como o MMA é um esporte de contato, lesão é inerente. Pode acontecer, mas tentamos minimizar isso pela maneira como trabalhamos, controlando o volume e intensidade da carga de treinamento. O que eu vejo em alguns outros atletas são lesões durante a luta como torções, mas isso é normal. Entretanto, em alguns casos muitas lesões musculares que acontecem não são provenientes da luta e sim dos treinos, como um over training, quando não conseguem controlar volume e intensidade, respeitando a fase de treinamento. Isso gera um desgaste e como é exigido do atleta treinos de várias modalidades, a lesão vai aparecer mais cedo ou tarde.

Como é combinar preparação física com treinamento de boxe, muay thai, jiu jitsu e wrestling. Como é essa harmonia entre treinadores nos bastidores?

Falarei da equipe com a qual eu trabalho. Montamos ume esquema de trabalho muito bom. Apesar de treinar Jiu Jitsu durante 15 anos, sou aluno do Demian. Sou preparador físico. Conseguimos, dentro da nossa equipe, instituir um método de trabalho graças ao Eduardo Alonso. Não ensinamos nada aos treinadores como devem treiná-los. Mas a gente consegue indicar a eles, com a planilha, como controlar volume e trabalho, respeitando esse planejamento. Vem dando certo. Veja o efeito com o  Demian, o Daniel e outros atletas de Jiu Jitsu e MMA. Controlamos a planilha com descanso e duração. A técnica e estratégia é com eles, mas o volume e intensidade de treino é com  a gente.

A luta (MMA) evoluiu muito desde a sua invenção na época de Royce Gracie. E a preparação física do atleta também. Fale um pouco como você vê essa evolução nos treinamentos.

A evolução é muito grande, mas o que eu vejo é que está longe de se tornar ideal, isso dentro da minha visão. Antes não existia preparação física, o cara treinava a modalidade dele, não tinha um profissional por trás. A mentalidade era quanto mais treino melhor. Quando muito, faziam no máximo musculação. Hoje as grandes equipes têm um profissional por trás, para comandar isso. Alguns treinadores ainda têm uma resistência muito grande em ouvir os preparadores físicos. Mas a preparação física não pode ser vista isoladamente; ela faz parte de um todo.  Um treino de luta está exigindo do físico dele. Não podemos considerar a preparação física como um acessório. É como uma engrenagem e é tão importante como treinador de boxe, jiu jitsu e muay thai.

Existe algum preparador físico no qual você se espelhe aqui ou fora do Brasil?

Estou há muito tempo na área. A linha que eu sigo é a minha mas me espelho em muitos, sim. No Brasil, o Rogerio Camões que foi um dos que começaram.  No último UFC Fortaleza conversamos muito, gosto das coisas que ele faz. Tem também o Caruso, que foi um dos primeiros caras a trazer  uma metodologia bacana e outros como o Italo Villardo, o Marth Ronnie.  Procuro ver o que tem de melhor em cada um e uso no meu trabalho.

O que é feito no Brasil em termos de preparação? Segue um padrão internacional ou é regional?

Um pouco dos dois. Tem um pessoal que acha que o que é feito  aqui  não presta, só os de fora são bons. O ideal é ter a mente aberta pois não tem trabalho certo ou  errado. Às vezes um caminho é mais longo e outro mais curto. Acho que você tem que parar e analisar, ver o que se encaixa no seu trabalho não importando se é brasileiro ou cubano. Hoje o esporte cresceu demais, a ciência tomou conta de tal maneira que não tem mais o treinador dos Estados Unidos, Rússia ou Cuba. O pessoal precisa perder o estigma de que o que tem no Brasil não presta.

Como você faz a rotina de treino de um atleta de alta performance?

Vou dizer do pessoal com quem trabalhamos, que são os lutadores de MMA. Quando tem uma luta marcada, faltando dez semanas efetivamente o camp tá rodando direitinho. São dois treinos por dia, de segunda a sexta e o sábado para o sparring. Faltando oito semanas para a luta, vamos modulando isso. Como a nossa equipe está sempre junta,  vamos sentindo o lutador, seguindo a planilha.  Mas às vezes não cumprimos exatamente, a gente vai sentindo. Em média são três vezes por semana de preparação física e os outros dias para treinos específicos. O atleta tem que ser econômico e eficiente. Trabalhamos na especificidade de cada lutador. Não adianta fazer treinos mirabolantes. E sempre controlando volume e intensidade de treino. Não adianta tirar tudo dele em um treino pois vai ter outro no dia seguinte.

Acredita que a falta de gás de alguns atletas durante as lutas tem a ver com alguma falha durante a preparação física ou a suplementação desse atleta?

Sim, acredito. A parte da preparação é mais que a da suplementação, que é mais um acessório para minimizar a fadiga do atleta e melhorar a recuperação. Mas eu vou além. Não é só a preparação física, que estamos acostumados a analisar como algo à parte. Ela faz parte do trabalho. O preparador físico fez o trabalho dentro da equipe mas o treinador não deixa ele tentar direcionar bem o treino e o próximo treinador de outra modalidade quer mostrar serviço, mas, por sua vez, ele não pensou no próximo treino e acaba tirando a performance lá  na frente além do impacto na perda de peso. Isso fica cumulativo. Venho estudando bastante e vejo que o corte drástico de peso está ligado à perda de performance.

Muitos atletas reduzem drasticamente o peso para se enquadrarem na categoria que vão lutar. Até que ponto você,  como preparador físico, vê essa mudança drástica de peso?

Eu não sou muito a favor. Não estou dizendo que é certo ou errado. Cada um tem uma linha de trabalho. Na minha linha, não sou a favor  da perda ou ganho excessivo de peso.  É óbvio que os nossos atletas têm que perder peso. O Daniel vem de 98 quilos e o Demian de 86 quilos. Fazemos um trabalho que reduz o peso corporal do atleta semana a semana , tentando deixar o mínimo possível para a semana da luta. Não como algumas equipes que fazem 8/10 quilos de perda na semana da luta. Acho muito agressivo para o atleta e tem a ver com a perda de performance na luta.

Outro ponto é sobre a recuperação de peso. Criou-se uma lenda, que quanto mais ele recuperar, mais forte ele vai estar. Vamos entender: ele vai se reidratar e água não gera a massa muscular que ele está ganhando. O Daniel treina ótimo e a melhor performance dele é com 92 quilos. Dessa forma ele é  rápido, forte  e com resistência. Mas porque fazê-lo ficar com 84,7 quilos e lutar com 96 kilos, até porque é água,  eu acredito. O peso deveria ser um pouco mais estudado e controlado. Começamos a ver atletas com dificuldades de lutar porque passaram mal. Eu já vi atletas na sauna apagar, desmaiar e a gente vê cair luta após luta por conta da desidratação severa. Isso vai lesionando o atleta.  O que tira a vida útil do atleta é o treinamento não a luta. Vemos atletas que estão lutando há dez anos e estão inteiros.  Outros com cinco anos estão quebrados. O fator peso está diretamente relacionado à performance, que tem ligação com esses cortes.

Fale um pouco sobre quem você já preparou e prepara (lutadores)

Comecei com o Demian desde a época do ADCC, onde ele foi o campeão em Abu Dabi. O Daniel Sarafian , o irmão dele Guilherme. O Gabriel Veiga que veio agora , sempre fez parte do camp e começou a fazer parte da equipe. Tem também o atleta do boxe que já foi da seleção brasileira de boxe, o Danilo Marques, que está treinando conosco. Passou um pessoal com a gente, como o Matheus Serafim e muito mais.

[/tab][/tabgroup]

Photo: Diego Andriello (Aline Baktchejian Djehdian/The MMA Corner)

About The Author

Aline Bak
Staff Writer, Brazil

A native of São Paulo, Brazil, Aline began watching MMA with her father during the heyday of Pride in the early 2000's. Her passion for the sport soon turned to the UFC not long after. After attending UFC 134 in Rio de Janeiro and UFC 146 in Las Vegas, Aline was asked to recount her experience for Tatame—one of Brazil's biggest media outlets—and thus began her writing career. In addition to her work for The MMA Corner, she maintains her own site about MMA.