Recently, The MMA Corner’s Aline Baktchejian Djehdian spoke with Guilherme Sarafian, brother of UFC middleweight Daniel Sarafian, at the Needs Gym in São Paulo, Brazil.

Over the past few years, Sarafian has compiled a 6-0 record in MMA.

The pair discussed the fighter’s journey into MMA and his upcoming fight in August.

Below are versions in both English and Portuguese. Click the tab to switch the language.

[tabgroup][tab title=”English”]

Tell us a little about you as a fighter, your preferred style and division.

Today, I’m fighting in the 70-kilogram (155-pound) category. I’ve done about 77 kilograms (170 pounds), but I’m still finding myself. I love the boxing, but I like all disciplines. I follow my brother many years ago, so always trained a little of everything and now it’s time to come and show my work.

Your family has been excelling in the martial arts world. Tell us a little about how you came to prefer this sport.

Daniel, my middle brother Gabriel and I always trained. When we studied in school, we trained Armenian karate and since we have trained various ways of fighting. Over the years, Daniel became interested more and came to live abroad for a year in the United States. For 10 years, he has been training a lot. It was not overnight that he arrived there in the UFC.

Actually, I did my first fight two years ago and fell in love. My daughter was to be born, but I got into this body and soul. I quit my job with a passion to fight. When I fought, I thought, “This is what I like to do” and since then I am continuing.

How long have you been fighting professionally?

I worked with canvas and one of the things I did was to make Octagon canvas bag to beat. My family has worked in this business for 25 years. Coincidentally, a guy was going to do an event, sponsorship asked and I said “We give you a canvas and you give me a fight on your event.” It was an adventure. I’ve already started as a professional, but I could have started in the amateur to test myself more. After two MMA fights, I entered The Forge of Champions. Everything went well and I was the champion and after that I did another four MMA fights, all victories.

You come from five wins in five fights. What do you think of your record so far?

I have six fights and six wins. Sherdog’s site only lists five fights since the first event was small. I have a good manager, Eduardo Alonso, the same manager as Daniel. I leave everything in his hands over my career. In order to improve our career, we have to leave it in the hands of someone who understands. Career fighter has no room for error. Then I leave everything to him: he chooses the event for me to fight, the opponent I face. I am a fighter and dedicated. I will always be well trained for my fights.

Tell us a little of your knockout against Tiago Candido Silva in Real Fight 9.

I was going to fight in the Coliseu Fight event. I was training hard, but we had some problems and I didn’t fight for Coliseu. Then came the opportunity to fight in Real Fight 9. I really enjoy coaching, I dedicate myself to the fullest and I arrived at the event with all Ghana to win, striving for victory. It all worked. I met my opponent, Tiago, at the Predator FC event in August last year. He is an excellent fighter, we talked, and when he arrived at Real I struggled with the idea of fighting him, but this is a profession.

You were the champion of the Forge of the Champions in boxing. What did you bring to MMA from this experience?

It made me calm and allowed me to focus on the fight while feeling the rush of climbing in the ring or the Octagon. I know that you have to stay calm and you train to do everything right. Sometimes the adrenaline takes some of the focus of your workouts, sometimes a mistake can spell victory for your opponent. I struggled all week in the Forge and every Tuesday fight, but this way I kept active in the middle of the fight.

What’s next for you?

My goal is one and only focused on the UFC. I’m not in a hurry and want to get there when I’m ready. I know the right time when I step in the Octagon, I’ll be 100 percent set to face opponents. I never cease to prepare. My main focus is the UFC. I dropped all my work. I have a daughter, but do not fight because of my family. I fight for myself. I have other job opportunities if I want, but I love what I do and that is to fight for me, because I want to get there.

What is a good thing and a bad thing about having a famous person as a brother in how you’re treated by the fighters and the media?

Look, the good I can answer you, but I have nothing bad to say. I have the experience that my brother brings, the friendships that my brother has, the coaches, the entrepreneur. Every team with which I workout today is because of my brother and this is already a great benefit. The boxing trainer, fitness trainer, it all comes from my brother. I only have good things to say.

At first, I felt a little pressure to be Daniel’s brother, but now I’ve learned to deal with that pressure. The closer I can be with my brother, both in my practice as well as in my fights, the better. When we’re up there in the Octagon, there’s nothing else to think about. It’s you and the guy. You choose the pressure. If you put it inside you, the option is yours. You have to forget all that and focus on the fight.

Does your brother give you tips? Do you train together?

He gives me lots of tips. Sometimes I go to his house and we talk about possible strategies. When we train, we develop and test new things. It’s good to have a brother who fights, and has been doing this for 10 years. We are reaping the benefits from this. I admire him. I’m his No. 1 fan. It is hard to talk about my own brother [laughs]. But I’m quite fond of him!

Which MMA fighters do you admire?

The number one is my brother, the guy whose commitment I admire. I train with a lot of committed people. But it is very difficult to find someone like my brother. I like some fighters like Anderson [Silva], Jose Aldo, Renan Barao and others.

Tell us a bit about the Academy Needs and training there.

My focus is on the physical benefits of MMA for my students. Some want to learn to fight, others are there for the sport, hobby and also for health.

The Needs has great space in all forms. Has Muay Thai with Gilson, the boxing with Leo and Tony, jiu-jitsu with the Portuguese. It’s nice to train in Needs. It offers a space that I never had in any other gym. The owner, Fernando, is exceptional. I am a great friend of his, and he always opens doors for us fighters. I don’t have the words to thank him. I’ve trained at other gyms and it is very difficult to find a space like that Needs offers. They have weight, aerobic mats, Octagon, there’s a lot here. It is excellent.

Talk about your next fight in early August.

I’m preparing as I’ve always prepared myself for all other fights. I don’t have an opponent right now, but I’m certain I will fight at the event. The preparation is the same, but each fight, the more experience you earn. I’m polishing some things with my coaches during the fights.

Is there anything you want to tell your fans? What can they expect from you?

You can expect a lot of focus and dedication. I don’t want to put my foot in my mouth: I can’t promise victory, because the same way you are training, your opponent is and also can be as focused as you are. But focus and determination I promise 100 percent. That I can assure the fans!

[/tab][tab title=”Portuguese”]

Fale um pouco sobre você como lutador, sua modalidade preferida, categoria.

Hoje estou lutando na categoria de 70 kgs.  Já fiz luta de 77 kgs,mas ainda estou me encontrando. Gosto muito do boxe, mas gosto de todas as modalidades. Eu acompanho meu irmão há muitos anos,então sempre treinei um pouco de tudo e agora chegou a hora de entrar e mostrar o meu trabalho.

Sua família vem se destacando no mundo das artes marciais. Conte um pouco sobre como surgiu a preferência de vocês por esse esporte.

Eu, o Daniel e meu irmão do meio Gabriel sempre treinamos. Quando estudamos na escola armênia treinávamos karatê e desde ainfância fizemos modalidades diversas de luta. No decorrer dos anos o Daniel se interessou maise chegou a morar fora, por um ano, nos EUA. Faz dez anos que ele vem treinando muito. Não foi da noite pro dia que ele chegou lá no UFC.

Na verdade eu fiz minha primeira luta dois anos atrás e me apaixonei. Minha filha estava para nascer mas eu entrei nessa de corpo e alma. Larguei minha profissão pela paixão de lutar. Quando eu lutei, pensei “é isso o que eu mais gosto de fazer” e desde então estou dando continuidade.

Há quanto tempo você está lutando profissionalmente?

Eu trabalhava com lonas e uma das coisas que eu fazia era lona para octógono, saco de bater. Minha família trabalha nesse ramo há 25 anos. Coincidentemente um cara ia fazer um evento,pediu patrocínio e eu falei “a gente te dá uma lona e você me dá uma luta no seu evento”.  Foi uma aventura. Já comecei no profissional mas poderia ter começado no amador para me testar mais. Depois de duas lutas de MMA, entrei na Forja dos Campeões.  Deu tudo certo e fui o campeão e depois disso fiz mais quatro lutas de MMA, todas com vitória.

Você vem de cinco vitórias em cinco lutas. Como analisa seu cartel até agora?

Tenho seis lutas e seis vitórias. No site Sherdog só coloqueicinco lutas pois o primeiro evento era pequeno. Estou com um bom empresário, o Eduardo Alonso, mesmo empresário que o Daniel. Deixo tudo na mãos dele em relação a minha carreira. A gente tem que galgar nossa carreira aos poucose deixá-la na mãos de alguém que entenda. Na carreira do lutador não tem espaço para erro. Então eu deixo tudo com ele: ele escolhe o evento para eu lutar, o adversário para eu enfrentar. Sou lutador e dedicado. Estarei sempre bem treinado para as minhas lutas.

Fale um pouco do seu nocaute contra o Thiago Candido Silva no Real Fight9.

Hácinco meses eu ia lutar no evento Coliseu Fight.  Estava treinando forte mas tivemos alguns problemas, acabei não lutando no Coliseu. Surgiu, então, a oportunidade de lutar no Real Fight9. Gosto muito de treinar, me dedico ao máximo e cheguei lá no evento com toda gana de ganhar, buscando a vitória. Deu tudo certo. Conheci meu oponente, o Thiago, no Predador Fight em agosto do ano passado. Ele é um lutador excelente, conversamos, e quando chegou no Real fiquei meio assim de saber que era contra ele, mas é a profissão. Lutei com ele mesmo sendo colega,sem problemas.

Você já foi o campeão da Forja de Campeões no Boxe. O que essa experiência trouxe para oMMA?

Me trouxe muita calma, visão de luta e ao mesmo tempo sentir a adrenalina de subir no ringue ou no octógono,  saber que você tem que manter a calma  e que você treina para fazer tudo direitinho. Às vezes a adrenalina tira um pouco do foco dos seus treinos, às vezes um erro seu pode ser a vitória do seu oponente. Eu lutava toda semana na Forja e toda terça-feira tinhaque lutar mas dessa forma me mantive ativo no meio da luta.

Próximos objetivos?

Meu objetivo é único e exclusivo focado no UFC. Não tenho pressa e quero chegar lá pronto. Sei que no momento certo em que eu pisar no octógono, estarei 100% para enfrentar os adversários. Nunca deixo de me preparar. Meu foco principal é o UFC. Larguei tudo, meu trabalho. Tenho uma filha mas não luto por causa da minha família. Luto por mim mesmo. Tenho outras oportunidades de trabalho se eu quiser, mas faço o que eu amo que é lutar e faço por mim, pois quero chegar lá.

Fale uma coisa boa e uma ruim de ter como irmão uma pessoa famosa no meio dos lutadores e na mídia.

Olha, o bom eu consigo te responder mas o ruim não tenho nada para falar. Tenho a experiência que o meu irmão traz, as amizades que o meu irmão tem, os treinadores, o empresário. Toda a equipe com a qual treino hoje conheci por causa do meu irmão e isso já é um benefício muito grande. O treinador de boxe, o preparador físico, vem tudo do meu irmão. Só tenho coisas boas para falar.

No começo senti um pouco de pressão por ser irmão do Daniel, mas agora aprendi a lidar com essa pressão. Quanto mais perto eu puder estar do meu irmão, tanto nos meus treinos quanto nas minhas lutas, é excelente. Quando estamos lá em cima do octógono não tem outra coisa para pensar.  É você e o cara. É você quem escolhe a pressão. Se você colocá-la dentro de você, a opção foi sua. Tem que esquecer tudo isso e focar na luta.

Seu irmão te dá algumas dicas? Vocês treinam juntos?

Ele me dá muitas dicas. Às vezes vou a casa dele e ficamos falando de possíveis golpes. Quando treinamos,desenvolvemos coisas novas e as testamos. Ébom ter um irmão que luta, que está nesta carreira há dez anos e que está colhendo o fruto que vem plantando. Eu me espelho muito nele. Sou fã número 1 dele, fico até sem graça e é difícil falar do meu próprio irmão (risos). Mas sou muito fã dele!

Lutadores que admira no MMA

O número 1 é o meu irmão, o cara em quem me espelho pelo compromisso que ele tem com a luta. Treino com muita gente compromissada. Mas é muito difícil encontrar alguém como meu irmão, quedorme, come, treina comprometido com o trabalho dele. Gosto de alguns lutadores como o Anderson, José Aldo, Renan Barão e outros.

Fale um pouco da Academia Needs e sobre as aulas que você dá.

Meu foco são os benefícios físicos do MMA para os meus alunos. Alguns querem aprender a luta, outros estão lá pelo esporte, hobby e também pela saúde.

A Needs tem um ótimo espaço em todas as modalidades. Tem o MuayThai com o Gilson, o Boxe com o Leo e o Tony, o Jiu-Jitsu com o Português. É bacana treinar na Needs. Ela oferece um espaço que eu nunca tive em nenhuma outra academia. O dono, Fernando, é excepcional.  Sou muito amigo dele, e sempre abriu as portas para nós, lutadores. Não tenho palavras para agradecer a ele. Já treinei em outras academias e é muito difícil achar um espaço como o que a Needs oferece. Tem musculação, aeróbico, tatame, octógono, tem muita coisa aqui. É excelente.

Fale sobre sua próxima luta agora no começo de agosto.

Estou me preparando como sempre me preparei para todas as outras lutas. Ainda não tenho adversário, mas estou quase fechando o evento em que vou lutar. A preparação é igual, mas a cada luta que passa,mais experiência a gente ganha. Vamos lapidando algumas coisas com meus treinadores, no decorrer das lutas.

Mande um recado aos seus fãs. O que eles podem esperar de você?

Podem esperar muito foco e dedicação. Falo de boca cheia: vitória a gente não pode prometer, porque do mesmo jeito que você está treinando seu oponente também está e pode estar tão focado quanto você. Mas foco e determinação eu prometo 1.000%. Isso eu posso garantir aos fãs!

[/tab][/tabgroup]

Photo: Guilherme Sarafian (Aline Baktchejian Djehdian/The MMA Corner)

About The Author

Aline Bak
Staff Writer, Brazil

A native of São Paulo, Brazil, Aline began watching MMA with her father during the heyday of Pride in the early 2000's. Her passion for the sport soon turned to the UFC not long after. After attending UFC 134 in Rio de Janeiro and UFC 146 in Las Vegas, Aline was asked to recount her experience for Tatame—one of Brazil's biggest media outlets—and thus began her writing career. In addition to her work for The MMA Corner, she maintains her own site about MMA.