Recently the team from Olhar do fã no MMA, The MMA Corner’s Brazilian partner, visited Team Nogueira in São Paulo and spoke exclusively with Team Nogueira fighter Leandro “Buscapé” Silva. The Brazilian embarks for Yokohama, Japan, where he will fight the Japanese Yoshiaki Takahashi in the 257th edition of Pancrase. The event will take place on March 30.

Below are versions in both English and Portuguese.

English

Leandro, how do you feel about your return to international events?

I think it’s very important for my career to be able to show the world my talent and value. It’s time to reap the rewards of all those years of training.

You fought in the UFC against Ildemar “Marajó” Alcantara. Tell us a little about your joy, and then the frustration for not having fought harder in the organization.

The joy was immense. Every fighter wants to get in the UFC. But the biggest frustration was not winning. If I had one more chance, anyone who knows me knows that I can demonstrate what I am. But we are now prepared, and it will be a different story.

You have 13 wins and just one loss, which came in your UFC debut. What do you think of your career thus far?

For me, it is a great accomplishment. The only loss I had was in the UFC against a much heavier opponent than I normally face. When I weighed 80 kilos, every fight I won was against fighters who weighed 90 kilos and up. But now I’m fighting in the category of 70 kilograms [lightweight].

How was the experience of participating in The Ultimate Fighter tryouts?

It was very good. I had my first interaction with the UFC, which by the way is very serious and organized. It was a goal achieved. I went to Rio to compete as part of the 28 and nobody knew me there. The learning was very great. I grew a lot and also evolved, and now I feel ready to travel to international events.

What do you think of your opponent, Yoshiaki Takahashi? What do you know about him?

I studied him on the internet, but I trained a lot to stand-up and on the ground, too. Let’s bring this victory.

Thiago “Jambo” Goncalves is also fighting in this event. Did you train together?

I trained last month in Rio. There are excellent training partners, in addition to coaches. Thiago is very good. He is respected in Japan after the last knockout. I’m rooting a lot for him—we will both bring victory for Brazil.

Talk about your community work with mothers who are former drug users in Bethlehem Mission House Mother’s Garden in Guarujá (SP).

It is an institution that cares for mothers who live in the streets and are ex-junkies. There, they are in rehab for nine months. Afterwards, most of them stay there voluntarily and raises her children. This institution can only be maintained with donations. I, along with the help of my students, have collected groceries and diapers, and every 10th of each month, we take them there. It’s like a party—the kids come and give hugs. And I just saw myself in that situation, because I lived a year and a half at an orphanage. I would like to help further, but cannot afford it. It is very important that all who are able help in some way. God put it in my heart, and we are able to maintain this every month.

If fans want to help with donations for diapers and groceries, just get in touch with me by Facebook and Instagram, where I post pictures of the institution from my phone.

Portuguese

Recentemente a equipe do Olhar do fã no MMA / The MMA Corner esteve na Team Nogueira em São Paulo e conversou com exclusividade com o lutador da equipe Team Nogueira, Leandro Buscapé. O brasileiro embarcou para Yokohama, Japão, onde vai lutar contra o japonês Yoshiaki Takahashi na edição 257 do Pancrase. O evento será no próximo dia 30 de março.

Leandro como você vê o seu retorno em eventos internacionais?

Eu acho muito importante para a minha carreira é poder mostrar para o mundo o meu talento e valor. É hora de colher tudo aquilo que plantei nesses anos todos de treinamento.

Você já lutou no UFC contra o Ildemar Marajó, fale um pouco sobre a sua alegria e depois a frustração por não ter lutado mais na organização

A alegria foi imensa todo lutador quer chegar no UFC. Mas a frustração foi maior chegando a superar a alegria. Eu contava com mais uma oportunidade, quem me conhece sabe que tenho condições de demonstrar o que sou. Mas agora estamos preparados e será uma historia diferente.

Você tem 13 vitórias e apenas 1 derrota justamente na estreia do UFC, como analisa sua trajetória até hoje

Para mim é uma leitura vitoriosa. A única derrota que tive foi no UFC contra um cara muito mais pesado que eu. Eu peso 80 kilos todas as lutas que eu venci foi contra lutadores que pesavam de 90 kilos para cima. Mas agora estou lutando na categoria de 70 kilos.

Como foi pra você participar da seletiva do TUF

Foi muito boa. Eu pude ter o primeiro contato com a empresa UFC, que por sinal é muito séria e organizada. Foi um objetivo alcançado, fui para o Rio fazer a seletiva, ninguém me conhecia por lá e consegui ser chamado fazendo parte dos 28. O aprendizado foi muito grande, eu cresci muito e evolui também e agora me sinto preparado para trilhar caminhos em eventos internacionais.

Como vê seu oponente Yoshiaki Takahashi. Conhece o jogo dele?

Achei pouco material dele na internet, mas treinei muito a parte em pé e no chão também. Vamos trazer essa vitória.

O Thiago Jambo também lutara nesse evento, vocês treinaram juntos?

Treinei mês passado no Rio, lá tem um material humano excelente além dos treinadores. O Thiago é muito bom está sendo muito respeito no Japão, depois do último nocaute. Eu torço muito por ele, nós dois vamos trazer a vitória para o Brasil.

Fale sobre seu trabalho comunitário com as mães que são ex-usuárias de drogas na Missão Belém Casa das Mães, no Jardim Guarujá (SP)

É uma instituição que cuida de mães que moram nas ruas e são ex- drogadas. Lá elas ficam na reabilitação por 9 meses. Depois a maioria delas se tornam voluntárias e tem os seus filhinhos. Essa instituição só consegue se manter com doações, eu junto com a ajuda dos meus alunos arrecadamos mantimentos, fraldas e todo dia 10 de cada mês levamos para lá. É uma festa, a criançada vem abraça e eu acabo me vendo nessa situação pois vivi um ano e meio no orfanato. Eu gostaria de ajudar ainda mais, mas devidas as condições não posso. É muito importante essa união se todos ajudarem pelo menos um pouco conseguiremos. Deus colocou isso no meu coração e estamos conseguimos manter isso todos os meses.

Se os fãs quiseram colaborar com fraldas, mantimentos é só entrarem em contato comigo pelo facebook e instagram pois sempre tiro fotos quando vou lá coloco o telefone da instituição.

About The Author

Aline Bak
Staff Writer, Brazil

A native of São Paulo, Brazil, Aline began watching MMA with her father during the heyday of Pride in the early 2000's. Her passion for the sport soon turned to the UFC not long after. After attending UFC 134 in Rio de Janeiro and UFC 146 in Las Vegas, Aline was asked to recount her experience for Tatame—one of Brazil's biggest media outlets—and thus began her writing career. In addition to her work for The MMA Corner, she maintains her own site about MMA.